terça-feira, 19 de junho de 2012

Relatório 11/06/12

Relatório referente à aula prático do dia 11 de junho de 2012 - Microscopia
Tecido de Sustentação e Tecido Muscular.


Ossificação endocondral dividida em cinco regiões: 

Zona de Cartilagem em Repouso (R): região de cartilagem hialina típica, sem alteração morfológica.
Zona de Cartilagem Seriada (S): região de multiplicação dos condrócitos. Posicionados em fileiras formam grupos isógenos.
Zona de Cartilagem Hipertrófica (H): condrócitos aumentados pelo depósito de glicogênio e lipídeos, com diminuição de matriz.
Zona de Calcificação (C): mineralização da matriz e posterior morte dos condrócitos, resultando em lacunas vazias.
Zona de Ossificação (O): Invasão do tecido mielóide e vasos sanguíneos nos espaços onde se situavam condrócitos. Os osteoblastos originados de células indiferenciadas produzem matriz óssea sobre matriz cartilaginosa residual. 


A traquéia é um órgão que se continua com a laringe e termina ramificando-se nos dois brônquios extrapulmonares. Na sua estrutura apresenta um número variável de peças cartilaginosas do tipo hialino, as quais são revestidas por pericôndrio que se continua com um tecido conjuntivo fibroso, unindo as cartilagens entre si.

Tecido muscular estriado cardíaco:  feixes de fibras musculares cardíacas anastomosadas irregularmente e dispostas em várias orientações envolvidas por tecido conjuntivo. Para identificação das estrias desse tecido deve-se usar o maior aumento e movimentar o parafuso micrométrico e mover o condensador. Os núcleos apresentam-se na região central das fibras em número de um ou dois e são facilmente observados quando elas aparecem em corte transversal.

No corte longitudinal, observa-se feixes de fibras cilíndricas, multinucleadas, com núcleo periférico. Nota-se também as estrias transversais (Linha Z: encontro dos filamentos de actina).
No corte transversal, valorizar endomísio (tecido conjutivo que envolve cada fibra muscular), perimísio (conjutivo que envolve os feixes musculares), e epimísio (conjutivo que envolve o músculo como um todo).
Nas fibras musculares esqueléticas que aparecem longitudinais é fácil identificar, quando em maior aumento, a presença de estrias transversais relativas à disposição das miofibrilas.


Mucosa
A caracterização do intestino delgado se dá pela presença de vilosidades revestidas por epitélio cilíndrico simples contento células absortivas sustentadas por lâmina própria repleta de criptas ou glândulas de Liebercküm. A musculatura de Brücke a qual é responsável pela motilidade das vilosidades, pode ser vizualizada no interior das vilosidades.
Submucosa
Tecido conjuntivo contendo vasos e nervos onde estão as glândulas de Brünner responsáveis por uma secreção altamente básica para neutralizar a acidez do suco gástrico.
Inseridas no tecido conjuntivo existem agrupamentos de células basófilas que integram o complexo nervoso denominado de plexo submucoso de meissner.
Muscular
Circular interna: apresenta fibras musculares lisas dispostas ao longo do corte.
Longitudinal Externa: fibras musculares lisas cortadas transversalmente.
Presença do plexo mioentérico de Auerbach no tecido conjuntivo perimuscular facilmente visualizado entre as camadas musculares.
Serosa
Tecido conjuntivo contendo vasos e nervos limitado por mesotélio.


Referências: Atlas de Histologia Médica
Disponível em: <http://antares.ucpel.tche.br/atlas/histologia/>



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário